Eu acho que os dois assuntos atuais mais polêmicos em relação à infância são: palmada para educar e crianças ajudando nas tarefas domésticas. Hoje eu vou falar do segundo assunto, que é super realidade aqui em casa. Sei que muita gente pensa que incorporar a ajuda das crianças no trabalho doméstico soa quase como trabalho infantil. Mas se essas tarefas forem escolhidas e divididas de maneira sensata, acabam ajudando (e muito!) no desenvolvimento do seu filho.

Eu nunca cogitei pedir/exigir ajuda das crianças na intenção “diminuir o meu trabalho”, mas aqui duas coisas sempre foram meio que instintivas para mim: ensinar a botar no lugar o que bagunçou e colocar roupa suja no cesto. Não sei bem explicar o porque disso, talvez tenham me ensinado a mesma coisa quando pequena, não lembro. Só sei que foi isso que pedi das crianças durante um bom tempo, desde cedo. Nisso eu vejo uma grande vantagem na nossa rotina atual: eles sabem que podem brincar, bagunçar e serem criativos. Mas sabem que depois disso, tudo volta pro lugar. O que economiza muito “puxão de orelha” diário, na minha opinião. Mas aí o que eu exigia das crianças parava por aí. Qualquer coisa extra era meu dever, durante muito tempo.

Com o crescimento de desenvolvimento do Tomás e do Bernardo (que são quase gêmeos, hahaha), percebi que já não eram bebês e eu não tinha que ficar fazendo tudo por eles. Um ano atrás, quando tinham, respectivamente, 3 e 5 anos, resolvi botar em prática algumas tarefas simples. Essas tarefas não eram nada absurdas e com certeza só contribuíram para o crescimento dos meninos. Vejo que se tivesse começado antes, só teria ajudado. Na época, comecei a pedir que sempre levassem os pratos sujos à pia, limpassem o que derrubassem no chão (ainda que eu tivesse que ir lá e limpar novamente) e dobrassem o cobertor depois que acordassem. Com a introdução dessas “obrigações” simples percebi que eles começaram a prestar muito mais atenção no que sujavam e o quarto deles passou a ser um lugar mais arrumado.

Atualmente, tenho uma menina de dois anos e quatro meses, um menino de quatro e outro de seis anos. As tarefas mudaram e todos ajudam. Lembrando que todo mundo faz uma coisa diferente, de acordo com a capacidade deles. Não adianta eu pedir pra Nina passar aspirador de pó, né? Cada tarefinha que eu introduzi na vida deles, trouxe um ponto positivo na nossa rotina. O Bernardo e o Tomás passaram a querer fazer mais coisas que envolvessem minha supervisão, assim eles contam novidades em momentos que eles sabem que eu estaria ocupada. Por exemplo: separando roupa para lavar ou servindo a mesa do jantar.

Eu poderia citar aqui mil e um motivos pelos quais introduzir tarefas domésticas na vida do seu filho, vai ajudá-lo. Mas tente ter em mente que, no mínimo, você está preparando seu filho para a vida. Mas sempre com bom senso, viu? A diiirce (Milene), uma das minhas autoras de blogs maternos favoritas, fez um post super legal sobre o assunto e lá compartilhou uma tabela (da autoria dela) com sugestões de acordo com cada idade. Ficam aí as sugestões de tarefas para quem não introduziu esse hábito em casa:

Veja mais posts sobrecriancas, educação, tarefas, vida doméstica
Compartilhe ❤

Se tem uma coisa que pode ajudar (e MUITO) o seu dia a fluir direito é facilitar a hora de sair com as crianças para a escola. No passado, não dei muita importância para esse momento e fui fazendo as coisas de qualquer jeito. Em alguns meses essa rotina se tornou super corrida, estressante e desnecessariamente cansativa. Hoje vou compartilhar com vocês o que eu aprendi e que me ajudou a simplificar esse processo.

1) Faça uma transição gradual de horários

Se as aulas do seu filho já voltaram, não se desanime. Se a rotina escolar já começou (e está pesando) tente ir adaptando os horários com diferenças diárias de meia hora, quarenta minutos. Por aqui fui botando as crianças para dormir 30 minutos mais cedo na semana anterior ao fim das férias. No dia seguinte fui acordando todo mundo meia hora mais cedo. Com o passar dos dias, chegamos ao horário que acordaríamos durante uma semana normal de aulas. Isso ajuda bastante porque criança com sono não dá certo. Essa dica serve muito bem também caso o horário de verão tenha chegado com tudo na sua casa.

2) Planeje os lanches escolares com antecedência

Na próxima semana eu vou soltar um conteúdo completo (post + vídeo) sobre como eu faço planejamento de refeições aqui em casa. Até lá eu posso já dizer que nada facilitou tanto a minha vida como planejar o que vamos comer em todas as refeições e fazer compras e preparação de acordo. Já planeje com antecedência (uma semana antes) o que seu filho vai levar de lanche em cada dia da semana. Não se esqueça de revisar o menu do dia na noite anterior e fazer algum tipo de preparação, se for o caso.

3) Arrume a mochila na noite anterior

Esse é um hábito super fácil de botar em prática e facilita muito mais do que pensamos. Por mais que seu filho estude no período da tarde, já deixar tudo pronto na noite anterior simplifica bastante o processo de sair de casa. Caso o seu filho tenha que levar mil e uma coisas na mochila, faça uma checklist e confira toda noite na hora de arrumar a mochila. Eu perdi a conta de quantas vezes esqueci de botar refil de pasta de dente ou shampoo nas mochilas das crianças.

4) Separar uniforme na noite anterior

Aqui em casa deixar os uniformes separados na noite anterior sempre foi de grande ajuda. Como eu tenho que garantir que não uma, mas três crianças saiam vestidas de casa, não dá para ficar conferindo todas as peças de roupa na hora de ir pra escola.

5) Explique a rotina para seu filho e peça a colaboração dele

É legal aproveitar essa rotina e explicá-la para seu filho. Explique cada passo e peça para que ele faça uma coisa ou outra. Se ele for mais velho, com certeza vai conseguir fazer bastante coisa. Por aqui tenho a Nina de bebê, mas mesmo assim ela faz uma coisinha ou outra. Ela sempre tenta colocar o sapato, põe o laço na cabeça e coloca o prato na mesa da cozinha depois que termina de comer. Já os meninos, que têm 4 e 6 anos, lavam o rosto, colocam os pratos na pia, se vestem e colocam o sapato. Resolvi fazer e imprimir uma rotina com a parte escrita e desenhos correspondentes (os meninos ainda não sabem ler direitinho) para auxiliar os meninos nessa rotina da manhã e na da noite também (assunto para outro post).

6) Assim como o lanche, programe o café da manhã (ou almoço)

Como disse anteriormente, eu sou grande fã do planejamento de refeições, mas planejar pelo menos a refeição que seu filho irá comer antes de sair já ajuda bastante. Não invente muito no café ou no almoço. Planeje refeições simples e funcionais! Se quiserem posso fazer post com ideias de receitas e preparações por aqui :)

7) Elogie seu filho!

Mais uma vez: aproveite essa rotina! Elogie cada coisa que seu filho fizer direito e sinta-se livre para corrigi-lo quando achar necessário. Os elogios vão incentivá-lo a aprender cada vez mais e tornar-se mais independente.

Eu também fiz um vídeo sobre esse assunto no canal do blog! Você pode conferir logo abaixo e não se esqueça de se inscrever!


 

Espero que tenham gostado das dicas e se tiverem algo a acrescentar… fale aqui embaixo! =) Eu nunca vou cansar de juntar dicas para facilitar o dia-a-dia.

Um beijo!

Compartilhe ❤

Sempre que compartilho fotos de alguma lancheira que tenha gelatina no meio, me chovem perguntas do tipo “como você consegue mandar gelatina no lanche da escola sem que ela derreta?”. Eu optei por tentar mandar esse tipo de comida simplesmente porque os meninos adoram e é legal dar uma variada no cardápio, principalmente por causa de todas as restrições alimentares que eles têm.

Antes de passar a receita, eu queria ressaltar duas coisas:

A conservação do lanche: independente da presença de gelatina, eu deixo o lanche na geladeira até a hora de sair (se tiver gelatina, deixo 10 minutinhos no freezer), depois sempre guardo o pote dentro de uma lancheira térmica e coloco um barra de gelo em gel para garantir a conservação do que quer que tenha no cardápio.
– O horário do lanche: os meninos lancham em até duas horas depois que chegam na escola. Se fosse para mandar a lancheira pela manhã e eles só comerem pela tarde, com certeza não daria certo. Não sem uma geladeira na escola e, no caso deles, eu não conto com esse recurso.

Esses dois pontos realmente influenciam na hora de decidir o que eu posso e vou colocar no lanche deles. Agora vamos voltar ao assunto gelatina. Você basicamente tem duas opções: fazer a gelatina industrializada (em pó, com sabor) ou fazer a gelatina com suco natural, do zero.

Se você for pela opção número 1, o melhor método é reduzir a quantidade de líquido em relação ao pó da gelatina, assim ela fica mais durinha e resistente. Normalmente a preparação é da seguinte forma: dissolva o pó em 250ml de água fervente e depois acrescente 250ml de água gelada. A minha dica é: dissolva o pó em 150ml de água fervente e depois acrescente 150ml de água gelada. Assim sua gelatina com certeza vai ficar mais firme e derreter mais devagar.

Como eu evito industrializados aqui em casa, quando tem gelatina é porque eu fiz com suco natural mesmo (opção número 2). A preparação do suco é fácil: você escolhe a fruta (ou polpa) e bate com água. Se o suco precisar ser coado, coe nessa etapa. Tente usar um copo de medida para ter uma noção de quanto suco você tem. Eu normalmente faço 200ml ou 400ml de suco para a gelatina. O próximo passo é levar esse seu suco ao fogo baixo junto com a gelatina em pó. Aqui, mais uma vez, você tem duas opções: gelatina em pó convencional ou o ágar-ágar. A gelatina em pó convencional é aquela velha conhecida, simplesmente uma gelatina sem sabor.

gelatinas

Optando pela gelatina em pó, é só conferir a quantidade de líquido que se pede na instrução de preparo do produto e a quantidade de suco que você já tem. Se você tem 200ml de suco e no produto eles indicam que você use uma colher de sopa para cada 200ml (quantidade inventada por mim), você teoricamente usaria essa colher de sopa, certo? Só não se esqueça que nós queremos uma gelatina mais firme, para que ela não derreta até a hora do lanche. Então temos que diminuir a quantidade de líquido em relação à de pó. Ou você tira de 30% a 50% desse suco, ou aumenta a quantidade de pó de gelatina. A marca que eu costumo usar pede 12g de pó para cada 500ml, então uso 300ml para a mesma quantidade de pó ou uso o dobro de pó para a mesma quantidade de suco. Eu sempre me mantenho nessa proporção de gelatina e dá certo.

O ágar-ágar, minha opção favorita e a mais saudável, é um pó de gelatina feito a partir de algas. Eu prefiro o ágar porque ele não precisa ir à geladeira para ficar firme, é uma ótima fonte de fibras, não altera o sabor do alimento e ele não derrete em temperatura ambiente. Já deu pra ver que facilita muito, né? Com esse produto é só usar a quantidade que é indicada no pacote, não precisa alterar nada. A gelatina não vai derreter. <3

Depois que você escolher seu pó e as quantidades, misture com o suco e leve ao fogo baixo até levantar fervura. Distribua a gelatina entre os potinhos e leve à geladeira. Como eu disse antes, o ágar-ágar nem precisa passar por isso, mas aqui gostamos da gelatina mais geladinha.

Eu gosto de fazer as gelatinas na noite anterior mas, se não der tempo, tente deixar umas 3 horas na geladeira, ok?

OBS: O ágar-ágar costuma ser encontrado com facilidade em lojas de produtos naturais. Se você optar em comprar pela internet, não deixe de usar o cupom THALITA948 para receber 7% de desconto em suas compras na loja Sam e Mamãe na Cozinha. Você encontra o ágar-ágar nesse link aqui.

Veja mais posts sobrecriancas, escola, gelatina, lancheira, nutrição
Compartilhe ❤

Quem é mãe sabe que não dá para sair de casa, nem pra ir à padaria, sem pelo menos levar uma fraldinha. Aqui com três eu me viro, mas gosto sempre de estar preparada. Já tinha feito um vídeo sobre a bolsa de passeio da Nina (clique aqui para assistir), mas isso já tem mais de um ano! Então resolvi mostrar em vídeo a minha bolsa atual (e tudo que eu levo dentro dela)! Espero que gostem!

bolsa de passeio foto

Como eu disse no vídeo: tem muita coisa nessa mochila que eu não uso sempre. Mas eu acho legal ter por perto, caso precise.

Produtos que mostrei:

Mochila Fisher-Pricehttp://bit.ly/bolsaafisher
Saquinhos para fralda suja Munchkinhttp://bit.ly/sacosfralda
Garrafas Contigohttp://bit.ly/garrafacont
Kit de cuidados Safety 1sthttp://bit.ly/kitsafety1st
Bolsa de roupa molhada Skip Hophttp://bit.ly/bolsawetdry

E você? O que leva na bolsa de passeio do bebê/criança?

Me responde por aqui, porque eu vou adorar saber :)

Veja mais posts sobrebolsa de passeio, criancas, passeio, produtos
Compartilhe ❤