Agora com 33 semanas de gestação já finalizamos o enxoval do Bento! Como mãe de quarta viagem, acho que já consigo fazer um enxoval somente com coisas úteis, que sei que realmente vou usar. Em 2013, gravidíssima da Nina, eu já tinha compartilhado com vocês a lista de enxoval que tinha montado para comprar lá nos EUA (se quiser acessar clique aqui). Dessa vez me inspirei nessa lista, fiz algumas modificações e compramos o que precisaríamos para o Bento aqui mesmo.

Como vocês gostaram bastante da lista anterior, vou deixar disponível aqui a lista do Bento também. Até porque todas as compras foram feitas aqui e a grande maioria dos produtos é super acessível. Você pode acessar a lista, baixar e fazer suas modificações particulares. Fica bem prático! Para acessar a lista é só clicar na imagem abaixo:

Onde comprei:
Eu sempre tive preferência pela Carter’s, aquela marca americana cheia de peças fofíssimas, mas o dólar não quis colaborar e saí à procura de marcas nacionais em conta que tivessem uma qualidade legal. Uma leitora (Obrigada, Dani!) me deu uma dica bem legal: comprar o enxoval em loja que vende roupa infantil a quilo. Engraçado, né? Eu já tinha ouvido falar, mas nunca tinha pensado em ir atrás. Fui lá conferir e achei marcas conhecidas (que encontramos em várias lojas infantis) e finalizei quase 95% do enxoval num dia só. Então fica a dica para quem é de Brasília: Mania de Kilo (ADE conj 01 lote 06, entrada B – Águas Claras). Lá cada marca tem um preço próprio para o quilo e saiu tudo bem em conta (pelo menos 50% mais barato que em lojas normais). Só tenho duas observações: o valor mínimo da compra é R$ 500 e é necessário CNPJ para cadastro, ok? Mas achei que valeu MUITO a pena!

Comentei no vídeo (tá lá no fim do post!) que gosto muito de cueiros e compro os meus no Etsy.com, tipo um Elo7 americano. Só faço isso porque sou apaixonada por alguns dos tecidos que achamos facilmente lá nos EUA e aqui nem tanto. Comprei coisinhas artesanais para o enxoval da Nina e agora para o do Bento. Gosto muito do ateliê da Ahmelie. Nunca tive problemas com entrega e também nunca paguei imposto de importação.

Lojas online também me ajudaram muito agora que eu já estou maior e um pouco mais cansada. Comprei o ofurô (da Burigotto), produtos de higiene, capa para almofada de amamentação (a Boppy Pillow), meias… tudo pela internet. Costumo comprar na Netfarma e na Tricae.

Uma coisa que conheci agora mais o final e amei foi o serviço do brechó online Retroca. Lá dá para encontrar várias peças usadas super inteiras (eles têm um controle de qualidade muito bom) e garimpar coisas super fofas para o bebê. Comprei algumas roupinhas da Carter’s por um preço super bom =) Quem for do Sul ou Sudeste também consegue vender para o site peças que seu filho não usa mais. Legal, né?

Gravei um vídeo e dividi em dois (falei muito!) sobre o enxoval. Dei algumas dicas e mostrei algumas peças! Espero que gostem!



 

Veja mais posts sobrebebê, compras, dicas, enxoval, roupa, vídeos, YouTube
Compartilhe ❤

Quando virei dona de casa, já era mãe de duas crianças (sendo que uma delas era um bebê de seis meses). Tive que me acostumar com várias situações ao mesmo tempo e demorou um pouco até que eu pegasse mais ou menos o jeito da coisa. Demorou mais ainda para arrumar alguma maneira de tornar meu dia-a-dia (super corrido) em um esquema mais eficiente. Uma das primeiras coisas que comecei a fazer (e faço até hoje) é o planejamento de refeições.

Pode parecer complicado, mas é basicamente o processo de montar um cardápio (no meu caso semanal) e fazer suas compras de supermercado/feira de acordo com esse cardápio. Depois que comecei a fazer esse planejamento percebi que várias vantagens:

– Economia de tempo: sabendo o que eu vou cozinhar pela próxima semana, diminuiu consideravelmente o tempo que eu passo fazendo compras e o tempo que eu gasto preparando as refeições (já que eu não tenho que parar para pensar no que cozinhar em cima da hora).
– Economia de dinheiro: planejar as refeições deixa a lista de supermercado muito mais enxuta (já que você sabe exatamente o que vai usar) e evita a compra de coisas desnecessárias.
– Evita o desperdício de comida: como você já sabe o que vai usar, dá para evitar direitinho a compra exagerada de comida e é bem mais fácil de garantir que tudo o que você comprar, será usado.
– Escolhas mais saudáveis: Normalmente as escolhas não muito saudáveis de refeições são feitas em cima da hora. Se você planejar com antecedência, muito possivelmente vai fazer escolhas bem mais saudáveis de comida.

Então a minha rotina aqui em casa se dá da seguinte maneira: todo sábado eu faço compras de feira e também carnes. Então toda sexta de noite eu separo meia hora para fazer esse planejamento de refeições. No início vai tomar um pouco mais de tempo, mas rapidinho você pega o jeito. Eu sigo passos bem simples:

Primeiro passo: anotar o que eu já tenho em casa. Por mais que as compras aqui em casa sejam feitas para durar uma semana, sempre sobra uma coisinha ou outra da compra anterior. Sempre começo o planejamento anotando o que eu já tenho, assim uso tudo e evito desperdício.

Segundo passo: escolher as receitas. Já sabendo o que tenho em casa, posso escolher as receitas da semana. Eu gosto de variar bastante e levo em consideração as preferências (saudáveis!) das crianças para montar o cardápio. Desse jeito é mais fácil garantir que eles se alimentem bem. Para achar/salvar minhas receitas, eu uso bastante o Pinterest. Sempre escolho a quantidade de receitas de acordo com o número de refeições que faremos em casa naquela semana.

Terceiro passo: montar a lista de compras. Depois de escolher as receitas, calculo a quantidade de cada ingrediente que eu quero comprar. Depois é só anotar e sair para comprar.

Quarto passo: montar o cardápio semanal. Eu sei que já mencionei anteriormente que escolho as refeições da semana antes para depois montar a lista de compras. O problema (principalmente com orgânicos) é que nem sempre achamos todos os ingredientes. Separo então um momento depois das compras para substituir algum ingrediente no cardápio ou até uma refeição inteira, se for o caso. Nesse momento decido que dia vamos o tal coisa, levando em consideração o estado dos alimentos. O que estiver mais maduro, será consumido antes. Para montar esse cardápio, uso um modelinho adaptado da internet. Antes eu usava post its para organizar as refeições nos devidos dias (assim poderia trocá-las de lugar, caso precisasse). Atualmente uso o mesmo modelo, porém plastificado. Achei que ficou super prático e resistente. É só preencher com um marcador (evite os permanentes) e passar um pano úmido quando for apagar.

Para baixar esse modelinho de cardápio, clique na imagem abaixo:

Se você preferir um arquivo em .pdf editável (para preencher ainda no computador e imprimir pronto) é só clicar aqui.

Onde eu faço as minhas compras?

Compras de mercado (não-perecíveis/alguns industrializados/produtos de higiente/limpeza)  – a cada três semanas: Super Adega – Trecho 12 Lote 05 Condomínio Via Import Center – Guará, Brasília – DF (Clique aqui para ver no Google Maps)
Compras no açougue – a cada três/mês: Sobradinho Carnes – Q 12 CL 09, s/nº – Sobradinho, Brasília – DF (Clique aqui para ver no Google Maps)
Compras de feira (orgânicos/não-orgânicos/ovos/peixe/carne/castanhas/polpas) – todo sábado: CEASA – SIA Trecho 10, S/N – Guará, Brasília – DF – (Clique aqui para ver no Google Maps)

Para assistir meu vídeo sobre o assunto:

Não se esqueça de se inscrever no canal do blog!

Espero que o post possa te ajudar e, caso tenha alguma dúvida, é só comentar aqui embaixo. Um beijo =)

Compartilhe ❤

O natal mal passou e o ano mal começou e já temos que nos preocupar com uma coisa que tira o sono de muita gente: a compra da lista de material escolar. Elas geralmente são enormes, exigem tempo e normalmente bastante dinheiro. Como economizar nunca é ruim (principalmente nos últimos tempos), juntei aqui algumas dicas para gastar o menos possível com essa lista.

A minha primeira dica é comprar o material até o começo de dezembro ou no finalzinho de fevereiro. Muito provável que as coisas estejam mais baratas (sim, muitas lojas aumentam os preços na época mais cheia das compras) e com certeza as papelarias estarão mais vazias. Mas vamos considerar que você não tem opção e vai ter que comprar tudo agora em janeiro:

Faça um balanço dos materiais de anos anteriores A maioria das listas pede lápis de cor, canetinha, borracha e coisas assim. Esses são itens que não são completamente usados ao longo do ano e é bem possível que tenham sobrado em casa. Confira então o que você já tem e faça uma nova lista com o que realmente precisa comprar.

Pesquise na internet Esse é um hábito pessoal. Antes de comprar qualquer coisa (eletrônicos, roupas, maquiagem etc) eu sempre procuro o preço na internet. Essa é uma boa ideia principalmente na hora de adquirir mochilas e lancheiras, já que os preços e modelos disponíveis nas papelarias normalmente são bem caros. Atualmente já existem muitos endereços virtuais que oferecem a lista completa de materiais. É uma boa dar uma olhada também, mas não se esqueça de conferir o preço com frete. A loja virtual Matteriais foi muito bem indicada por algumas mães que conheço, mas vale lembrar que eu mesma ainda não comprei lá.

Peça indicação de papelarias Acho que é super comum fazer parte de grupo de mães, seja no WhatsApp, no facebook… Então por que não pedir indicação de lojas boas/baratas para a compra de material escolar? Eu já peguei várias indicações de lojas da minha cidade. Entre no seu grupo e peça dicas :)

Se junte com outros pais e peça desconto Aqui em Brasília percebi que é muito comum se juntar com outras mães/pais e montar um grupo para desconto na hora de matricular o filho no colégio. Essa prática também é uma boa ideia na hora de comprar materiais, já que a possibilidade de desconto é maior. Só fique atenta na hora de escolher com quem vai se juntar, já que lidar com dinheiro pode ser um pouco complicado.

Peça orçamento em várias papelarias Antes de fechar a compra, tente pesquisar preços em pelo menos três lojas. É chato e provavelmente vai levar um tempo (papelarias nessa época do ano sempre estão cheias), mas a economia pode ser grande. Atualmente vários estabelecimentos cobrem orçamentos feitos por outras lojas.

Preste atenção se for levar a(s) criança(s) na hora de comprar Se você não tiver muita paciência, é melhor deixar a criança em casa. Esses lugares são cheios e sempre vai ter aquele material mais caro (licenciado) que vai chamar a atenção da maioria dos pequenos. Mas se você tiver paciência e vontade, eu acho uma boa oportunidade para levar a criança e ensiná-la um pouco sobre esse momento da compra. Dá para ensinar sobre como economizar e porque comprar uma coisa (e outra não), sobre o que é necessário, como seguir uma lista de compras… Enfim, o aprendizado provavelmente vai ser grande.

Opte por produtos simples Os licenciados normalmente chamam mais a atenção das crianças, mas também são os produtos mais caros. Infelizmente o preço alto não significa que o produto seja de qualidade. Uma ideia boa é substituir os produtos de personagens por opções simples. Se a criança não gostar do produto, convide-a para personalizar aquele item com você. Fazer as minhas próprias capas de caderno (que originalmente eram bem simples e super genéricos) era o meu momento favorito antes da volta às aulas.

Peça desconto na hora de fechar a compra Peça o desconto e veja qual a forma de pagamento compensa mais para você e cabe melhor no seu orçamento.

Os livros estão caros? Procure em sebos Na faculdade eu cursei literatura e sempre precisei de muitos livros diferentes. Infelizmente a biblioteca da universidade não tinha exemplares suficientes para todos os alunos e comprar todos os livros novos estava fora de cogitação. Foi nessa época que conheci o maravilhoso mundo dos sebos! Existem vários sebos locais (e vários virtuais) e a oferta de livros é muito grande. E para tem aquela ideia de que livro de sebo é sujo e mal cuidado: nem sempre é assim. Eu mesma, de vez em quando, vendo os livros que estão parados aqui em casa. Quando estou procurando um livro super difícil de achar, gosto de procurar no Estante Virtual. O site organiza acervos de vários sebos espalhados pelo país e você pode conferir o estado do produto. Normalmente compensa bastante.

Preste atenção nos seus direitos de consumidor Independente da loja (física ou virtual) confira a política de troca de itens e peça a nota fiscal discriminada, caso você precise trocar algo.

Lembre-se: a cobrança de materiais de uso coletivo na lista está proibida Ou seja: a escola não pode exigir esses materiais de uso coletivo e, caso isso aconteça, você pode fazer uma reclamação junto ao Procon. Deixo aqui um trecho publicado no site do Procon-DF:

“O que diz a legislação

– Material escolar é item de uso exclusivo do aluno e restrito ao processo didático-pedagógico e tem por finalidade o atendimento das necessidades individuais do estudante.

– Não é permitida a cobrança de taxa extra ou de fornecimento de material de uso coletivo dos alunos ou da instituição. Itens de higiene pessoal, álcool, apagador, grampeador, giz, pincéis para quadro, clipes, cartucho para impressora, envelopes, etiquetas, copos descartáveis, etc., são exemplos de materiais de uso coletivo.

– A lista de material deve ser acompanhada de um plano de execução, que deve descrever, de forma detalhada, os quantitativos de cada item de material e a sua utilização pedagógica.

– É permitido aos pais o fornecimento parcelado do material. A entrega deve ser feita com, no mínimo, 8 dias de antecedência do início das atividades.

– A escola é proibida por lei de exigir marca, modelo ou indicação de estabelecimento de venda do material, com exceção da venda do uniforme.”

mat

Espero que as dicas tenham ajudado e desejo boa sorte e boas compras a todas :) Um beijo!

Veja mais posts sobrecompras, economia, escola, lista, material escolar
Compartilhe ❤

Uma das maneiras mais legais de esperar o bebê é, com certeza, montar o enxoval. Normalmente passamos meses escolhendo tudo nos mínimos detalhes. Mas, se não houver planejamento, finalizar essa lista de compras pode se tornar uma grande dor de cabeça.

Nas duas primeiras gestações eu montei enxovais enoooormes, seguindo algumas lista que costumamos encontrar em lojas de produtos infantis. Usei muita coisa, mas tenho noção de que gastei dinheiro com muita coisa inútil. Já na gestação da Nina, eu me preocupei bem mais com o planejamento e com a compra consciente. No fim das contas consegui montar um enxoval bem legal: básico, mas bem fofo.

Separei então algumas dicas de como economizar no enxoval do bebê:

1. Faça uma lista do que precisa
Seguir as listas enormes que encontramos por aí pode não ser uma boa ideia. O enxoval tem sempre que seguir o estilo de vida da família e o orçamento. Como essas listas são gerais, é muito difícil que sirva para todo tipo de pessoa. Converse com amigas que já têm filhos, pesquise na internet ou pare para pensar no enxoval do seu primeiro bebê (se você não for mãe de primeira viagem). Descubra o que é mais usado de acordo com o clima da época que seu bebê for nascer e defina quantidades. Eu já publiquei aqui no blog a lista básica do enxoval da Nina. Para acessar é só clicar aqui.

2. Defina uma quantia mensal para gastar com o enxoval
Montar um enxoval sem planejamento vai acabar em desperdício de dinheiro. O que mais funcionou pra mim foi fazer uma lista do que eu precisava comprar e definir uma quantia mensal que eu tinha para gastar com a lista. Se num mês via que roupinhas estavam em promoção, comprava. Achando o carrinho ideal por um preço legal, comprei. Mas nunca ultrapassando a meta mensal!

3. Compre produtos usados
Não medo tenha de comprar produtos de segunda mão. Hoje em dia está cada vez mais comum que mamães passem os produtos semi-novos dos bebês para outras mães. Uma maneira de achar roupinhas ou acessórios assim é ir em brechós especializados. Aqui em Brasília eu super indico o Peça Rara! Existem alguns grupos virtuais de mamães que se juntam com esse propósito. Algumas semanas atrás eu abri um grupo no Facebook para quem quiser vender e quem quiser comprar produtos usados de bebês e crianças. Para acessar é só clicar aqui.

4. Pesquise resenhas sobre os produtos
É muito importante pesquisar detalhes sobre os produtos que queremos comprar. Principalmente se for um produto caro! Às vezes vemos várias mães falando maravilhas de uma determinada coisa, compramos e nos arrependemos. Isso poderia ser evitado se pesquisarmos de verdade e ficarmos cientes de todas as características daquela coisa. Aí é só parar para pensar se aquilo se encaixa no nosso estilo de vida/orçamento.

5. Pesquise sobre a real necessidade de comprar certos produtos
Muita coisa que faz parte de enxoval de bebê pode ser inútil e um gasto desnecessário. Existem até certos produtos bem polêmicos! Tem gente que ama e gente que odeia… Por isso vale sempre aquela de dica de conversar com mães para saber o que pode ser bem útil e o que pode ser bem inútil.

6. Pesquise preço e peça desconto
Pesquisou e decidiu o que comprar? Ótimo! Mas não faça isso de primeira! Parar, pesquisar preço e negociar vale para qualquer compra. É legal esperar épocas de promoção e ir em lojas negociar preços. Não se esqueça de pedir desconto :)

Para saber mais, assista ao vídeo abaixo:

Veja mais posts sobrebebê, compras, economia, enxoval
Compartilhe ❤