Começamos a consumir leite vegetal no final de 2011, quando descobrimos que o Bernardo tinha APLV. A alergia dele nunca foi super grave, mas optamos por tirar leite e derivados (e na época soja e carne bovina também) da alimentação da família inteira.

No começo foi um pouco complicado (para nós, os adultos) a adaptação a um novo cardápio super diferente , sem todas aquelas coisas que comíamos todo santo dia. Em alguma das várias consultas com a gastro(pediatra), recebemos uma listinha cheia de receitas que poderíamos usar para substituirmos os ingredientes proibidos. Tinha sugestão de substituição de manteiga, de chantilly, de carne bovina e de leite.

Nem preciso dizer que as receitas de leite vegetal foram as mais testadas e as mais repetidas até hoje, né? Queria deixar aqui algumas receitas e algumas dicas para quem tá começando nesse mundo sem leite. 

– Leite de amêndoas
Uso para: bolos.
Observações: O gosto é bem neutro, então dá para usar em várias receitas. Não é muito gorduroso nem proteico (não usaria para fazer iogurte, por exemplo) e pode sair um pouco caro (dependendo do preço do quilo da amêndoa). 

– 1 xícara de amêndoas (sem sal, sem casca)
– 1 colher (de chá) de sal
– 2 xícaras de água (para deixar as amêndoas de molho)
– 3 ou 4 xícaras de água (se quiser um leite mais grosso, coloque 3 xícaras)

Coloque as amêndoas de molho (só cobrir com água já separada) com o sal durante a noite (ou 12 horas). Depois é só escorrer a água, enxaguar as amêndoas e colocá-las no liquidificador. Acrescente as 3 ou 4 xícaras de água e bata tudo por, pelo menos, 1 minuto. Depois é só coar, se você quiser. Lembrando que nesse processo boa parte das fibras e nutrientes são separados do leite.

Fonte: thekitchn.com

Fonte da foto: thekitchn.com

– Leite de castanha-do-Pará
Uso para: colocar no cereal, vitaminas, colocar no café, em pratos salgados, molhos
Observações: O gosto é bem neutro, mas o leite é mais gorduroso, mais grosso. Acho super parecido com leite integral. Eu gosto de usar em pratos que quero mais grossinhos (como estrogonofe, por exemplo). Junto com o de amêndoas, tende a ser mais caro do que outros leites.

– 1 xícara de castanhas (sem sal, sem casca)
– 1 colher (de chá) de sal
– 2 xícaras de água (para deixar de molho)
– 4 xícaras de água (para bater o leite)

Coloque as castanhas de molho com o sal durante a noite. Depois é só escorrer a água, enxaguar as castanhas e colocá-las no liquidificador. Acrescente as 4 xícaras de água e bata tudo por, pelo menos, 1 minuto. Depois é só coar.

Fonte da foto: roarfood.co.nz

Fonte da foto: roarfood.co.nz

– Leite de côco
Uso para: iogurte, bolos, molhos,
Observações: É gorduroso e tem gosto de côco, mas não chega a atrapalhar o sabor dos pratos. O iogurte de coco fica bem gostoso, assim como bolos e molhos para pratos salgados. É uma opção barata.

Opção #1

– A polpa de um côco fresco
– 3 xícaras de água gelada ou da própria água do côco

Bater bem e depois coar.

Opção #2

– A polpa de um côco seco
– 4 xícaras de água quente

Bater bem e depois coar.

Fonte da foto: raiasrecipes.com

Fonte da foto: raiasrecipes.com

– Leite de aveia
Uso para: bolos, no cereal
Observações: Tem mais proteína que outros leites e é menos gorduroso (fica mais fino). É uma opção barata. As opções que citei acima não contém glúten. Infelizmente a aveia brasileira costuma conter porque é processada nos mesmos equipamentos que alimentos que contém naturalmente essa proteína. O Brasil já tem marcas de aveia sem glúten.

– 1 xícara de aveia (em grãos ou lâminas, não a farinha)
– 2 xícaras de água (para deixar de molho)
– 3 xícaras de água (para bater o leite)
– 1 colher (de chá) de sal

Coloque a aveia de molho (só cobrir com água já separada) com o sal durante a noite (ou 12 horas). Depois é so escorrer a água suja, lavar a aveia e colocá-la no liquidificador. Bata por 1 minutos com as outras 3 xícaras de água. Se desejar, é só coar.

Fonte da foto: www.godairyfree.org

Fonte da foto: www.godairyfree.org

Algumas dicas rápidas:

– Colocar as amêndoas, aveia e castanhas de molho (com o sal) durante a noite foi algo indicado pela gastro e eu sigo até hoje. Esse processo traz vários benefícios, tais como: remover anti-nutrientes (comuns nas oleaginosas e nos grãos), neutralizar inibidores de enzimas (que dificultam a digestão) e facilitar a absorção de proteínas. Não use a mesma água do molho para bater o leite.

– Eu gosto de deixar as amêndoas/castanhas/aveia de molho fora da geladeira, com um pano cobrindo a tigela.

– Na hora de bater o leite, você pode aproveitar para adoçá-lo ou acrescentar algum outro sabor. Mel, canela, baunilha e chocolate são ótimas opções. Eu particularmente prefiro não adicionar nada, já que assim posso usar aquele leite para pratos salgados também.

– É possível coar o leite com uma peneira comum, mas é muito mais eficiente coar com algo de pano. Assim o leite rende mais e a polpa (ou resíduo ou bagaço, como você preferir chamar) fica muito mais sequinha. O mais comum é usar um pano de queijo ou coador de café de pano. Essas duas opções são relativamente fáceis de achar e não são caras. Assim que eu comecei a fazer esses leites, abri um pacote de fralda de pano (sim, aquela de boca, de bebê mesmo) e usei durante bastante tempo. Sempre depois de fazer o leite, raspava a polpa e deixava a fralda de molho. Depois era só lavar normalmente.

– Aperte bem o pano (ou coador, ou fralda) na hora de coar.

– Se sobrar polpa “presa” no fundo do liquidificador é só jogar um pouco de leite, balançar e passar pelo coador novamente.

– A polpa que sobra serve de ingrediente para várias preparações. Depois de coar o leite, é só secar essa polpa no forno (coloque em temperatura média e vá mexendo de tempos em tempos até começar a ficar douradinha) ou em uma panela antiaderente (em fogo baixo). Você pode usar para vitaminas, sucos, para comer com frutas etc. Aqui em casa sempre vira farofa ou vai dentro de algum bolo.

– O resíduo do leite de côco é uma das coisas mais gostosas que existem :D

– Eu costumo guardar o leite vegetal em uma jarra (tampada) de vidro por até 3 dias, na geladeira.

– Tente guardar em alguma das prateleiras da geladeira e não na porta (para evitar muita variação de temperatura).

Espero que tenha te ajudado. :)

Compartilhe ❤