Acho que não novidade a privação de sono que ocorre logo depois que o bebê nasce, né? O bebê vem e precisa ser alimentado, limpo, amado… a cada algumas horas. E não se sinta mal se perceber que seu bebê precisa de você o tempo todo. É assim mesmo!
Só que ninguém é ferro! Mas como funcionar e cuidar de outro micro ser humano (!!!) nessas condições?
Recentemente tenho passado por uma situação de privação de sono que me lembrou muito do Bento versão “recém nascido”. Resolvi então compartilhar com vocês algumas dicas para manter a sanidade, mesmo que dormindo pouco.

Fonte da imagem: Shutter Stock

COLOQUE O BEBÊ PARA DORMIR AO SEU LADO 
Sei que tem muita gente que torce o nariz para cama compartilhada, mas não é isso que estou sugerindo. A ideia é botar o bebê para dormir no seu quarto, seja cama compartilhada, mini berço ou no próprio bebê-conforto. Eu percebi que para mim era muito menos cansativo simplesmente levantar, pegar o bebê, amamentar e colocá-lo novamente no bebê-conforto. Sem contar o conforto psicológico de saber que eu simplesmente ia escutar caso o bebê acordasse, engasgasse, gritasse… Me entende?
PRORIZE
Eu acho que uso essa palavra como dica (ou solução) para um monte de problemas que encontro nessa vida de mãe de quatro, mas a eficiência é real! Ninguém consegue fazer tudo. Quando adicionamos um bebê recém nascido na equação, provavelmente não faremos nem o básico. Então é hora de parar e pensar no que realmente é necessário e começar por aí. Um dia essa privação acaba e você retoma sua vida, botando tudo (ou a maioria das coisas) nos eixos.
TIRE PROVEITO DAS VISITAS
Vamos aproveitar que várias pessoas querem conhecer o bebê e fazer algo por você? Seja um banho digno, uma soneca ou até pedir para alguém lavar a louça. Eu sei que não se pede isso para pessoas não tão íntimas, mas as pessoas normalmente são mais solícitas quando temos um bebêzinho… Então a palavra é “aproveitar”.
SE DISTRAIA DURANTE A MAMADA NOTURNA
Amamentar recém nascido demooooooora. O Bento facilmente passava meia hora mamando…e isso num seio só! Eu ficava com medo de cair no sono e provavelmente eu iria. Mas comecei a me distrair durante essas mamadas mais cansativas. Coisa simples: assistir um filme, conferir algum canal no YouTube.  E isso me deixava bem empolgada porque, no mínimo, seria o único momento no dia que eu teria uma distração garantida.
APRENDA A DELEGAR TAREFAS
Eu já comentei em alguns vídeos que eu não gosto de pedir pra outras pessoas fazerem certas coisas aqui em casa. Estou falando de coisas simples como cozinhar, lavar roupa, guardar coisas em armário. Isso porque provavelmente eu sou mais eficiente (já que sou quem faz isso sempre). Mas a coisa muda quando você é responsável por um recém-nascido e, como comentei lá em cima, talvez não consiga fazer nem o básico. Então delegar algumas coisinhas por aí?
UMA OUTRA DICA (QUE NEM É DICA)
É bom começar a aceitar que não dá para fazer tudo. Falo isso tanto para a fase de recém-nascido quanto para quando seu filho tiver 6 anos. Ter filhos sempre traz várias responsabilidades a mais e, como o dia só tem 24 horas, outras coisas ficarão de lado. NORMAL! Não se culpe! É assim com todo mundo :) Tente se organizar e se planejar. Mas se mesmo assim não rolar o básico, lembre-se: amanhã é um novo dia.
Se gostar de YouTube, gravei um vídeo falando sobre esse tema:

Veja mais posts sobredicas, privação de sono, recém nascido, sono
Compartilhe ❤

Eu acho que os dois assuntos atuais mais polêmicos em relação à infância são: palmada para educar e crianças ajudando nas tarefas domésticas. Hoje eu vou falar do segundo assunto, que é super realidade aqui em casa. Sei que muita gente pensa que incorporar a ajuda das crianças no trabalho doméstico soa quase como trabalho infantil. Mas se essas tarefas forem escolhidas e divididas de maneira sensata, acabam ajudando (e muito!) no desenvolvimento do seu filho.

Eu nunca cogitei pedir/exigir ajuda das crianças na intenção “diminuir o meu trabalho”, mas aqui duas coisas sempre foram meio que instintivas para mim: ensinar a botar no lugar o que bagunçou e colocar roupa suja no cesto. Não sei bem explicar o porque disso, talvez tenham me ensinado a mesma coisa quando pequena, não lembro. Só sei que foi isso que pedi das crianças durante um bom tempo, desde cedo. Nisso eu vejo uma grande vantagem na nossa rotina atual: eles sabem que podem brincar, bagunçar e serem criativos. Mas sabem que depois disso, tudo volta pro lugar. O que economiza muito “puxão de orelha” diário, na minha opinião. Mas aí o que eu exigia das crianças parava por aí. Qualquer coisa extra era meu dever, durante muito tempo.

Com o crescimento de desenvolvimento do Tomás e do Bernardo (que são quase gêmeos, hahaha), percebi que já não eram bebês e eu não tinha que ficar fazendo tudo por eles. Um ano atrás, quando tinham, respectivamente, 3 e 5 anos, resolvi botar em prática algumas tarefas simples. Essas tarefas não eram nada absurdas e com certeza só contribuíram para o crescimento dos meninos. Vejo que se tivesse começado antes, só teria ajudado. Na época, comecei a pedir que sempre levassem os pratos sujos à pia, limpassem o que derrubassem no chão (ainda que eu tivesse que ir lá e limpar novamente) e dobrassem o cobertor depois que acordassem. Com a introdução dessas “obrigações” simples percebi que eles começaram a prestar muito mais atenção no que sujavam e o quarto deles passou a ser um lugar mais arrumado.

Atualmente, tenho uma menina de dois anos e quatro meses, um menino de quatro e outro de seis anos. As tarefas mudaram e todos ajudam. Lembrando que todo mundo faz uma coisa diferente, de acordo com a capacidade deles. Não adianta eu pedir pra Nina passar aspirador de pó, né? Cada tarefinha que eu introduzi na vida deles, trouxe um ponto positivo na nossa rotina. O Bernardo e o Tomás passaram a querer fazer mais coisas que envolvessem minha supervisão, assim eles contam novidades em momentos que eles sabem que eu estaria ocupada. Por exemplo: separando roupa para lavar ou servindo a mesa do jantar.

Eu poderia citar aqui mil e um motivos pelos quais introduzir tarefas domésticas na vida do seu filho, vai ajudá-lo. Mas tente ter em mente que, no mínimo, você está preparando seu filho para a vida. Mas sempre com bom senso, viu? A diiirce (Milene), uma das minhas autoras de blogs maternos favoritas, fez um post super legal sobre o assunto e lá compartilhou uma tabela (da autoria dela) com sugestões de acordo com cada idade. Ficam aí as sugestões de tarefas para quem não introduziu esse hábito em casa:

Veja mais posts sobrecriancas, educação, tarefas, vida doméstica
Compartilhe ❤

Como várias coisas na vida, o hábito da leitura pode (e deve) ser estimulado desde cedo. Bebês podem crescer virando as páginas e cutucando as figuras daqueles livros de borracha e, eventualmente, passar para os livros que contenham histórias. Lendo diferentes livros (ou escutando histórias) a criança aprende coisas novas que normalmente não são apresentadas nas outras atividades do dia-a-dia.

Dê livros de presente
É bom mostrar desde cedo que o livro é uma coisa que deve ser valorizada. Nada melhor então do que presentear crianças com livros! Eu comecei a dar livros porque sempre ficava na dúvida sobre qual brinquedo comprar para o filho de outras pessoas (um drama à parte) e me deparei com a possibilidade de dar livros. Nunca mais voltei atrás =) E se engana quem acha que criança sempre vai preferir ganhar brinquedo, hein? É tudo questão de escolher o livro de acordo com a idade.

Se cadastre em uma biblioteca (colocar dados da infantil lá embaixo)
Livros infantis normalmente são curtinhos e com histórias simples, então é bom variar para despertar sempre a curiosidade da criança. Por isso é legal ter um acervo à disposição do seu filho, mas você não precisa sair comprando todos os livros que vê pela frente. O que eu decidi aqui em casa foi me cadastrar em uma biblioteca infantil e passar por lá toda semana para pegar alguns livros. Durante a semana lemos esse dois ou três títulos e depois trocamos. A biblioteca que escolhi aqui em Brasília foi a Biblioteca Infantil da 104/304 sul. Eu cresci pegando livros emprestados lá e também tive aulas do que na época chamavam de escola de criatividade. Então foi muito bom ter a oportunidade de voltar com os meus filhos e ver que a biblioteca está enorme, bem cuidada e com um grande acervo infantil. Para quem se interessar, deixarei ao final do post as informações sobre a biblioteca e os documentos necessários para o cadastro.

Insira a leitura na rotina do seu filho
Para realmente estimular a leitura como hábito, é importante que ela faça parte do cotidiano. Então tente separar um momento diário de leitura. Aqui em casa temos dois momentos: o meu e o do meu marido. Durante a tarde eu leio algum livro simples com as crianças e, dependendo do tamanho, dividimos a leitura em duas ou três tardes. De noite, antes da hora de dormir, meu marido lê alguma parte de um livro para os meninos. Ele escolheu fazer dessa maneira porque queria que os meninos tivessem contato com livros que ele leu e amou. No momento ele estão lendo O Hobbit. Como o livro é bem extenso (e um pouco complexo para crianças de 4,5,6 anos), eles só lêem uma ou duas páginas por dia. Eu achei que os meninos não fossem gostar, mas eles se amarraram! Haha. Como o meu marido trabalha o dia todo, esse momento da leitura se tornou algo no estilo “pai e filhos” e tenho certeza que nossos filhos vão lembrar disso com muito carinho no futuro.

Leia com seu filho
Pode parecer a coisa mais boba do mundo, mas lá no comecinho da minha vida de mãe eu tinha muita vergonha de ler em voz alta. Lembro de atividades na escola do Bernardo, nas quais as mães tinham que ler um livro para a turma inteira. Eu ficava super insegura porque não sabia exatamente como fazer. Pensava que tinha que encarnar a atriz, fazer mil vozes e terminar com uma atuação digna de contadora de histórias. Mas não é bem assim. Aqui funciona (e funciona o simples): ler alto, ler devagar, parar ao final de cada página para fazer um resumo do que acabou de ler e sempre responder às perguntas dos pequenos. Aqui lemos livros de topos os tipos, mas estou gostando muito (principalmente para o Bernardo e o Tomás) de ler adaptações infantis de livros escritos para adultos. Por exemplo: essa semana lemos O Guarani adaptado pela Ruth Rocha. Aí os meninos fizeram mil e uma perguntas sobre colonização, índios, portugueses etc. Nem preciso dizer que aprenderam várias coisas novas, né?

Não desista
No começo, a criança pode apenas folhear o livro e deixar de lado, o que pode ser bem frustrante para você. O importante é lembrar que muitas vezes as crianças passam por esse processo crescente até chegar no objetivo final. Na introdução alimentar é assim, no desfralde é assim, na ida para a escola é assim. É tudo questão de adaptação e vontade. Continue oferecendo o livro e participe desse momento!

Não force a barra
O momento da leitura tem que ser algo divertido, já que o objetivo é fazer a criança aproveitar e não correr atrás de metas. Se o livro não estiver agradando, tente mudar a história e entrar no livro. Faça diferentes vozes e se empenhe nos efeitos sonoros, isso com certeza vai chamar a atenção.

Espero que tenham gostado das dicas aqui. Lembrando que tudo isso é baseado na minha experiência pessoal, ok? um beijo!

Biblioteca Infantil 104/304 sul:
Para o cadastro: carteira de identidade, comprovante de residência e o pagamento da taxa anual de R$ 10.

Compartilhe ❤

Acho que uma das perguntas que eu mais recebo em relação à gravidez é o que eu ando usando para a prevenção de estrias e manchas de sol. Eu adoro ler sobre isso e testar produtos, então resolvi fazer um apanhado geral sobre produtos (cosméticos e outros) que testei nessa gestação. Rolou até um vídeozinho lá no canal também, mas achei que seria legal deixar a lista completa de produtos aqui para vocês:

PARA ESTRIAS:

BEPANTOL MAMY / PALMER’S COCOA BUTTER FORMULA / FISIOGEL / CREME MUSTELA PARA ESTRIAS / CREME MUSTELA PARA O BUSTO

Bem, acho que deu pra perceber que no quesito “estrias” eu tentei me prevenir bem, né? Como já tinha comentado em outro momento: eu tive algumas na primeira gestação, mas só isso. No futuro posso comentar sobre o tratamento que eu fiz para retirá-las, mas por enquanto vou contar para vocês como estou fazendo para evitar o aparecimento de mais estrias. Essas marcas chatinhas aparecem quando a pele estica e “rasga”, então o legal mesmo é mantê-la hidratada, daí o uso dos cremes hidratantes. Mas é bom lembrar que tomar água é essencial, para se manter hidratada de dentro para fora! Além disso, fiz questão de usar os cremes pelo menos duas vezes ao dia, já depois do banho imagino que o produto perca o efeito. Comecei a gestação usando o Bepantol Mamy (+/- R$ 60 por 150ml) , que foi um creme (de farmácia) lançado depois da gravidez da Nina e eu não tinha tido a chance de testar. Ele é indicado tanto para a barriga quanto para os seios e foi assim que eu usei. O creme é meio grossinho quando sai da embalagem, mas assim que passamos na pele, ele dá uma afinada e seca em poucos segundos.É assim que eu gosto! Detesto aquela sensação de ficar melecada de hidratante e por isso tenho a super preguiça de passar. O cheiro é super agradável (não é forte, na minha humilde opinião) e acho que o produto rendeu bem! Ainda no começo da gestação, tinha encomendado o Palmer’s Cocoa Butter for Stretch Marks (+/- R$ 80 por 250ml), que demorou um pouquinho para chegar. Eu já tinha usado esse creme na gestação da Nina e tinha achado o custo benefício super bom. Esse creme também tem uma textura mais espessa, que também seca rápido e deixa a pele bem macia. O único ponto negativo é o cheiro meio forte de chocolate, que na outra gravidez não me incomodava, mas dessa vez acabou por me fazer parar de usá-lo. Vale lembrar que essa marca tem diversos outros produtos para estrias, mas eu só testei esse. Depois de interromper o uso do creme da Palmer’s, comecei a usar um produto que minha mãe tinha comprado: a loção cremosa Fisiogel (+/- 105 por 120ml). Imagino que esse creme seja bem conhecido por quem ter problemas de pele como dermatite, já que ele é referência em hidratantes hipoalergênicos.  Nessa altura da gravidez eu já estava sentindo aquela coceira na barriga, indicando que a pele não estava bem hidratada e já já iriam estourar algumas estrias. Senti que após alguns dias do uso desse produto a coceira passou totalmente e nenhuma estria saiu (yey!). Eu já achei a textura desse creme bem mais fina do que a dos outros que testei, mas ele também seca bem mais rápido, deixa a pele super hidratada (sem ficar grudenta) e não tem cheiro algum (pelo menos não que o meu super olfato de grávida tenha notado). Com certeza um dos meus preferidos… o único problema é o precinho que não é lá muy amigo. E por último mas não menos importante: os cremes Mustela Hidratação Extrema (+/- R$ 120 por 200ml) Mustela Cuidado Específico para o Busto (+/- R$ 98 por 125ml). Recebi esses dois cremes em um  presskit que a Mustela enviou em comemoração ao Dia das Mães e comecei a usar imediatamente. De todos os cremes que eu usei achei que esses tem a melhor textura e o melhor cheiro (narizes mais sensíveis podem não gostar muito). Como a textura é beeem emoliente, dá para fazer uma massagem gostosa na barriga e alguns segundos depois o creme seca totalmente, só ficando o cheirinho.

PARA MELASMA:

PROTETOR SOLAR ANTHELIOS XL (LOÇÃO FLUIDA) – FPS 70

Essas manchinhas chatas na pele (que são bem comuns na gestação) surgem de uma combinação da agressão do sol com o hormônios malucos da gravidez. Essas manchas podem ser tratadas depois que o bebê nascer, mas acho legal prevenir para nem apareçam. Além de evitar a exposição solar excessiva, é essencial usar protetor solar facial. Eu admito que eu sempre fui super relapsa com isso, o que é perigoso já que eu sou super branquinha. Mas, pelo menos na gravidez, eu sempre lembro de usar protetor. O problema é que eu esse tipo de produto costuma me desagradar bastante, já que a textura é estranha e eles costumam deixar a pele melecada e mega brilhante (no sentido de oleosa). Até essa gestação eu não tinha encontrado algo que me agradasse, até porque eu uso maquiagem quase todo dia e queria algo que não me deixasse com cara de boneco de cera. Enfim… em alguma ida à farmácia, resolvi testar o Protetor Solar Anthelios XL (+/- R$ 50 por 50ml) e não troquei mais. Como consegui testar a textura ainda antes de comprar, vi que ele quase não tem cheiro e seca em segundos, deixando uma textura aveludada na pele. Quando comecei a usar, vi que ele não atrapalha em nada a aparência da maquiagem, então nada me impede de usá-lo, hahaha. Apesar do preço chatinho da marca (normal, né), achei que ele rende MUITO e ainda estou no meu primeiro vidrinho.  

CUIDADOS COM O ROSTO:

BEPANTOL MAMY / PALMER’S COCOA BUTTER FORMULA / FISIOGEL / CREME MUSTELA PARA ESTRIAS / CREME MUSTELA PARA O BUSTO

Infelizmente essa foi a parte que eu mais tive que mudar na gestação. Minha rotina de cuidados com a pele do rosto envolve dois tipos de produtos: alguns para evitar acne e outros anti-envelhecimento. Mas esses dois tipos de produto contém componentes meio polêmicos para grávidas . Existem médicos que liberam alguns (como o ácido salicílico dos anti-acne e o ácido glicólico dos anti-idade) a partir do terceiro trimestre, mas no geral esses ingredientes não são indicados. Na dúvida, substituí quase tudo que eu usava.

Compartilhe ❤